top of page

Missão Canastra

“Tenho um convite especial para você, Lu!: a Missão Canastra”!

“O que é essa missão?”

“Será a condução de 27 Tritons 0km da fábrica da Mitsubishi em Catalão, até Campinas. Um grupo de amigos, passando pela Serra da Canastra-MG, sem preocupação nenhuma, e vendo o que vai acontecer! Kkkkk uma missão só para amigos de confiança! Kkkkkk”

Foi essa a mensagem que recebi do meu amigo e líder da Expedição Aventura do Sertões, @renatoperotti. O convite para conduzir uma Triton zerinha de fábrica, chegou por volta das 23hrs e eu tinha apenas 48hrs pra decidir se topava participar da missão. Ao acordar, a primeira coisa que eu fiz foi responder afirmativamente a mensagem.

Passaram-se alguns dias e nenhuma mensagem, nenhum retorno, nenhum grupo criado, estranhei o silêncio.

Mandei um oi para Renato, avisando que já tinha comprado as passagens e que estava estranhando o silêncio dele.

Renato me respondeu: “mas vc vem mesmo?” – por algum motivo ele não tinha recebido a mensagem na qual eu aceitava o convite. Ele continuou: “vou dá um jeito, preciso colocar você na lista e no grupo”.

Passagens compradas, nome na lista e adicionada ao grupo, agora só faltava colocar a roupa e ir rsrsrs.

No dia 3 de outubro eu e o @cowboyoffroad, meu zequinha da Missão Canastra, pegamos um voo de Salvador para Uberlândia-MG e de lá iríamos de UBER até Catalão-GO, (cerca de 2hrs de viagem).

Solicitei um UBER da melhor categoria, confiando que seria enviado um bom carro para finalizarmos a viagem. Nos primeiros 500m já nos olhávamos desconfiados, tínhamos dúvidas se o veículo conseguiria chegar até o nosso destino.

O motorista se dirigiu pro centro da cidade e pediu para confirmarmos o bairro, eu disse: estamos indo para a cidade de Catalão. Ele respondeu perplexo: “Catalão de verdade? Ah não posso ir não”. Ouvi  aquilo foi um misto de indignação e alívio, estávamos num carro sem manutenção conduzido por um motorista sem habilidade, um enredo que tinha tudo para terminar em perrengue.

O UBER nos deixou na rodoviária de Uberlândia, onde conseguimos combinar a corrida com um taxista num carro beeeem melhor e pelo mesmo valor que pagaríamos ao antigo UBER.

E assim seguimos para Catalão.

Comboio

O comboio formado por 27 Tritons, partiu da fábrica da Mitsubishi em Catalão-GO, com destino a concessionária Kadan em Campinas- SP. 

Cada veículo tinha de dois a três ocupantes, 62 pessoas de todo canto do país participaram da missão. Tinha gente do Rio Grande do Norte, Bahia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro.

Não é qualquer pessoa que é convidada para conduzir um carro 0km direto da fábrica. A maioria dos convocados e convocadas para a missão, já haviam participado de algum evento ou competição com o Renato Perotti e são pessoas da sua inteira confiança. As Tritons zerinhas que tivemos o privilégio de tirar o plástico e acelerar,  serão utilizadas pela equipe técnica do Rally dos Sertões 2020.

Teste drive

A missão também foi uma oportunidade de fazer um teste drive nos carros. Nós fizemos a Serra da Canastra-MG, o roteiro que durou dois dias, era cheio de poeira, alagadeiros, rochas, subidas e descidas. Pegamos alguns trechos de #offroad, usamos alguns equipamentos e tecnologias do carro, como a função #4×4, reduzida, bloqueada e  snorkel para passar por áreas alagadas.

De Catalão seguimos direto para #Delfinópolis-MG, onde nos hospedamos na pousada Casarão – um casarão antigo, cheio de historias contadas nos inúmeros objetos que decoravam a casa- desde uma cama onde eram colocados os cadáveres até um quadro feito com sapatinhos de crianças do século passado…

Confesso que no início me deu um certo receio mas, acho que o cansaço dos quase 400km percorridos me ajudou a ter uma boa noite de sono.

De Delfinópolis seguimos para São João Batista do Glória,  já nos aventurando nos caminhos da Serra da Canastra. Dormimos duas noites na pousada Recanto do Glória, tempo suficiente para conhecermos um pouquinho desse lugar mágico.

Nossas paradas para alimentação contaram com restaurantes famosos por sua simplicidade, sabor e tradição da culinária mineira, como o restaurante da Vanda e o do Vale do Céu.

Homenagem

Em suas expedições Renato Perotti sempre faz uma homenagem a algum dos participantes e, para minha surpresa, dessa vez a homenageada fui eu.  Ele aproveitou a ocasião para me entregar a pedra que pedi para ele trazer das Serras del Veladeiro, na Argentina, onde ele bateu o recorde do 1º motorista a dirigir acima de 6mil metros.

No último dia, nos despedimos da região e da poeira com um passeio de barco nos cânions da represa de Furnas em Capitólio-MG. Foi perfeito!!!

Seguimos para Campinas-SP, onde entregamos os carros para a concessionária Kadan. Lá, os veículos foram higienizados e ficaram á disposição da organização dos Sertões 2020.


A viagem durou 5 dias e o comboio percorreu aproximadamente 1000km. Infelizmente a seca e as queimadas foram as paisagens mais marcantes da viagem, o rastro do fogo estava presente na vegetação cinzenta, na cortina de fumaça que escurecia o horizonte, e nas chamas que víamos longe.

Apesar da predominância dessa imagem, observamos e pilotamos entre vales e serras lindas, sem contar nas cachoeiras que refrescavam nosso corpo e mente.

Vivenciar um pouco da cultura local também é sempre marcante.

Após cumprirmos a missão de entregar os carros na concessionária em Campinas, pegamos um voo de volta para Salvador.

Essa viagem serviu para confirmar que a #Serradacanastra é um local que preciso explorar com tempo para me deliciar nas inúmeras cachoeiras, para degustar as iguarias mineiras (o queijo da canastra, por exemplo) e, principalmente, para trocar um dedo de prosa boa com aquela gente tão acolhedora, simples e cheia de historias para contar.

Imagem da internet


Sertões 2020

No finalzinho de outubro, começa a 28° edição do maior rally das Américas, o extraordinário Sertões. Assim como a tudo e a todos ao redor do mundo, a Pandemia do Corona vírus também impôs mudanças à competição. “Um ano diferente pede um Sertões 2020 diferente”. O Sertões é dividido em três dimensões: Esporte-competição, Social-ações do SAS (Sorriso e alegria no Sertões) e Turismo-expedições e passeios. 

Foram impostas pela organização, várias restrições às duas primeiras esferas da competição e a terceira precisou ser adiada para o ano que vem.

Mudanças

Antes cidades,  agora bolhas: O sertões não terá mais paradas nas cidades. Para abrigar os competidores e toda a equipe serão construídas bolhas em locais isolados-  uma espécie de acampamento sofisticado no meio do nada que leva a lugar algum.

SAS (Saúde e Alegria no Sertões)

Serão instaladas nas cidades, vilarejos e povoados cabines de telecomunicações, com o objetivo de levar a medicina a lugares isolados e carentes.

A organização irá comprar cestas básicas diretamente dos pequenos produtores e comerciantes locais, para serem distribuídas para a comunidade. O intuito é movimentar a economia local e beneficiar as famílias carentes.

Protocolo sanitário

Toda a família Sertões entre competidores, comissários, staff e mecânicos serão testados para o Covid. A credencial será de uso obrigatório dentro da bolha. Máscara de tecido ou de acrílico também. O acesso á Vila Sertões será exclusivo para credenciados. A Vila será lacrada, terá um cordão de isolamento e contará apenas com uma entrada e uma saída.

As categorias especiais levam nada a lugar nenhum- para preservar a população local os participantes ficarão longe dos povoados, vilarejos e cidades.

Não vejo a hora do Sertões 2020 começar para eu poder acompanhar todos os acontecimentos dessa competição que pulsa no meu coração.

Nesta edição, farei o papel de fã/torcedora mas, na edição seguinte que será mundial, pretendo estar acelerando pelas especiais ao lado das minhas companheiras e companheiros de expedição e, seguindo as feras do Rally dos Sertões.

Que venha o Sertões 2020, extraordinário.

Comments


bottom of page